• Regina Mota

Simplesmente, pai!, Regina Mota

Amor envolto no laço do tempo. Doçura que desnuda a alma. Entrega, abrigo, aconchego. Pai acalanta, orienta, deixa o filho caminhar. Pai, poesia, canção.

Sentimento que desponta na leveza do tempo. Proteção de peito aberto para acariciar. Laço de atar a vida, sustentação, emoção. Pai beija, abraça, aquieta. Dá colo, escuta, dá limite: serenidade.


Pai: homem que dá origem a outro; genitor, progenitor, alegria. Pai nosso que estais no céu e abençoa. Pai Santíssimo, Pai Amoroso, Pai Mané, Pai de Família, Pai de Santo, Pai Saudade, Pai Sucesso. Pai de palavras de amor.


Pai que desperta a saudade da infância. Pai que é brincadeira e derrama carinho, presença. Pai que é sonho, que vive de sonho, que busca Deus e encontra o Filho. Pai que conta história, que é história. Glória ao PAI! Glória ao FILHO!


Pai acompanha, educa, dá presente, está presente. Fica grávido do futuro do filho. Pai parceiro, companheiro. Abraça, declara “Eu te amo”, transforma. Pai, poesia, proteção. Em nome do Pai! Em nome do Filho! Em nome do Amor!




3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

No livro todo sonho é possível: fada, bruxa, patinho feio que se transforma em cisne, princesa adormecida que é acordada por príncipe, que é transformado em sapo, em fera. Basta fechar os olhos. Ou ab

A vida é um deserto de histórias: superação. Silêncio quebrado. Na mansão dos mortos, posso erguer o dia, lançar minha alma ao vento. O destino brinca de esconde-esconde. “Quando a Indesejada das gent

Mundo encantado, cantigas de roda, sapequice a toda hora. Momentos mágicos, olhar de alegria, descoberta. Criança cai, levanta, pinta o sete, brinca, alegra, gira, roda e vai ao “tororó” beber água. C