• Regina Mota

Brinquedo de palavras, Regina Mota

No livro todo sonho é possível: fada, bruxa, patinho feio que se transforma em cisne, princesa adormecida que é acordada por príncipe, que é transformado em sapo, em fera. Basta fechar os olhos. Ou abrir as páginas. Lá estão as crianças que sonham com um país encantado como Alice sonha no País das Maravilhas.

No País do Livro, todo pensamento tem asas e mora em castelo. Lá, encontramos Monteiro Lobato com a sua fantástica turma: Emília, Visconde, Narizinho, Pedrinho, Tia Nastácia, Dona Benta. História do mundo para um mundo de crianças.

No País do Livro, os escritores caminham gostosamente com palavras e personagens que colorem o céu de alegria. Palavras que têm segredo de fantasia, arco-íris, bailarina, vento maluquinho, fada, bolinha de sabão, boneca de pano.

No País do Livro, tem Ruth Rocha com o Marcelo Marmelo Martelo. Ziraldo com o Menino Maluquinho. Cecília Meireles que sempre traz a poesia na ponta dos dedos: ou isto ou aquilo. Memória, fantasia, história. Amor na infância de Bartolomeu Campos de Queirós. Vinícius de Morais na Arca de Noé surfando poesia.

No País do Livro, todos têm um jeito especial de contar história de pessoas e de bichos: mistério do coelho pensante. Rodopios na mente pra gente pensar. Palavra que puxa palavra e brinca na poesia de Mário Quintana. Doce lembrança de palavras soltas num vento maluquinho que pousa histórias coloridas na mente da gente. História de bichos, cores, flores, amores sem fim.

No País do Livro, a paixão acontece no olhar, no toque, na escuta. Era uma vez... Era uma vez uma bolinha de sabão que queria ser uma bailarina. Ela queria ser uma bailarina azul como o azul do céu. Celeste Celestina era uma bolinha de sabão que queria ser diferente e queria durar pra sempre. Um dia, sonhou que tinha poderes encantados. Transformou-se em bailarina e fez rodopios pelo País dos Livros. Ela rodopiou contente da vida, coloriu o céu com palavras douradas como um pôr do sol.

Era uma vez uma bolinha de sabão que gostava de beijar palavras e de brincar de esconde-esconde com Dona Benta, Emília, Narizinho, Visconde e tia Nastácia lá no Sítio de Pica-pau Amarelo. Vento com leveza de bola de sabão bailarina que cria história e movimenta a cabeça da gente.

Quando o livro é tocado, as estrelas conversam com as nuvens, com a lua e com o sol que, sorrateiro, desponta para acordar o galo que, todo pomposo, acorda a fazenda inteira: a galinha dos ovos de ouro, a galinha ruiva, a lebre, a tartaruga, a gata borralheira, os três porquinhos que não têm medo do lobo, o patinho feio que se transforma em cisne. Histórias sem fim com final feliz – ou não.

O livro é um brinquedo de palavras. Nessa brincadeira sem fim, as crianças dão as mãos à magia das letras e criam histórias. Palavras e páginas que se abrem e, era uma vez...


*Amo: criança, pássaro, borboleta, silêncio, música, árvore, água, flor, arte, família, amigos, brilho da manhã, pôr do sol, chuva, céu estrelado.

Sou formada em Letras, fiz especialização e mestrado. Já lecionei para todas as idades: criança, jovem, adulto. Sou professora de Português e Redação. Em 2007, publiquei o meu primeiro livro: “Grilo sem pressa no mundo com pressa”. Em 2010, “Gira-Gira: recortando ideias”, pela Uni DUNI editora.

Acredito que a leitura faz a gente girar diferente pelo mundo.

Texto escrito em 2012.


cursoreginamota.com.br @cursoreginamota


8 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

A vida é um deserto de histórias: superação. Silêncio quebrado. Na mansão dos mortos, posso erguer o dia, lançar minha alma ao vento. O destino brinca de esconde-esconde. “Quando a Indesejada das gent

Mundo encantado, cantigas de roda, sapequice a toda hora. Momentos mágicos, olhar de alegria, descoberta. Criança cai, levanta, pinta o sete, brinca, alegra, gira, roda e vai ao “tororó” beber água. C

Adoro cheiro de mato, terra molhada, chuva com enxurrada no cascalho: primavera. Arco-íris perfumado coroa o céu colorido de pitangas vermelhas, cerejeiras em flor e flores de jasmim. Quando entrar se