• Regina Mota

Redação 980 - Enem 2019 - Júlia Reis

Tema: Democratização do acesso ao cinema no Brasil

De acordo com dados disponíveis no site meio e mensagem, a ida ao cinema cresceu 43% entre brasileiros nos últimos 5 anos. Contudo, apesar desse aumento, parte da população, em especial a de baixo poder aquisitivo, ainda tem a penetração do cinema dificultada. Nesse sentido, é necessário analisar o motivo da não democratização do acesso ao cinema, ligado ao governo, e a consequência dessa problemática para a sociedade excluída dessa forma de cultura.

Em primeiro plano, cabe ressaltar que a menor disponibilidade de centros de lazer em regiões com maioria de população de baixa renda contribui para a não igualdade de acesso ao cinema. Isso se deve ao fato de que, devido à segregação socioespacial existente, as regiões de menor poder aquisitivo se tornam marginalizados da sociedade e, em contraponto, os centros urbanos, os quais reúnem grande parte dos indivíduos com alta renda, recebem investimento para modernização e apresentam maior disponibilidade de serviços. Dessa forma, poucas empresas públicas e privadas procuram construir centros de lazer, como cinema, em periferias urbanas e zonas rurais, uma vez que priorizam as áreas de maior renda. Logo, o Artigo 6º da Constituição, o qual garante que o estado deve promover os direitos sociais, como lazer, para todos os cidadãos, não é efetivado e, com isso, a democratização do acesso ao cinema não é alcançada.

Em segundo plano, observa-se que um efeito dessa problemática é a exclusão dos indivíduos no que convém ao conhecimento cultural. Isso porque, devido à desigual distribuição de cinemas entre regiões, aqueles que não possuem acesso têm dificultada a possibilidade de assistir a filmes que, muitas vezes, agregam na formação cultural do cidadão e contribuem para a criação de uma identidade nacional, principalmente, os filmes que narram situações do cotidiano brasileiro. De acordo com o geógrafo Milton Santos, uma sociedade alienada enxerga o que os separa e não o que os une. Desse modo, percebe-se que a não democratização do acesso ao cinema corrobora o pensamento do geógrafo, visto que dificulta, principalmente para indivíduos de baixa renda, a aquisição de conhecimento cultural, o que pode gerar alienação e favorecer a segregação social, fator que afasta a formação de uma identidade nacional.

Portanto, é necessário que o Ministério da Cidadania tome medidas para que haja igualdade no acesso ao cinema. Cabe a esse órgão, principal responsável pelas questões culturais, incentivar a construção dessa forma de lazer nos locais marginalizados da sociedade, como periferia urbana, por meio da mobilização de empresas públicas relacionadas à construção. A partir disso, cinemas serão distribuídos de maneira mais igualitária entre as regiões.

C!: 4/5 = 180 C2 C3 C4 C5 = 200

Aprovada em medicina na Ciências Médicas

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Autocuidado, Djamila Ribeiro

Cuidar de si não é egoísmo ou algo exclusivo, mas autopreservação. Tem crescido a visibilidade de terapeutas holísticas, sobretudo negras Mulheres da minha família acreditavam que não podiam cuidar de

Um Enfermeiro, Machado de Assis

PARECE-LHE ENTÃO que o que se deu comigo em 1860, pode entrar numa página de livro? Vá que seja, com a condição única de que não há de divulgar nada antes da minha morte. Não esperará muito, pode ser