top of page
  • Foto do escritorRegina Mota

O MESMO

Atualizado: 18 de mar. de 2019

Fonte: Coluna Não Tropece na Língua


O MESMO


Embora possa ser relativamente comum em outros idiomas, no português do Brasil o uso de  “o mesmo” no lugar de nomes e pronomes é considerado indevido e até inconveniente.  A palavra mesmo pertence a diversas categorias gramaticais e seu emprego é absolutamente correto nas seguintes situações:


A. Como adjetivo/pronome (portanto variável), com o sentido de “exato, idêntico, tal qual, próprio, em pessoa”:


  • 1. Foi pelo mesmo caminho.

  • 2. Sou sempre a mesma pessoa.

  • 3. Eles mesmos redigiram o discurso.


B. Como advérbio (portanto invariável), com o significado de “justamente, até, ainda, realmente”:

  • 4. É lá mesmo que vendem o produto.

  • 5. Estes remédios são mesmo eficazes

  • 6. Há mesmo necessidade disso?


C. Como conjunção concessiva, equivalente a “embora, apesar de”:


  • 7. Mesmo diante de tais alegações em sede de reconvenção e contestação, o apelado quedou-se silente, reforçando ainda mais a veracidade delas.

  • 8. Sendo assim, mesmo inexistente a cláusula resolutória, com o inadimplemento do outro contratante a parte lesada pode requerer a resolução do acordo.


D. Como substantivo (expressão invariável, no masculino), significando “a mesma coisa”:


  • 9. Fato alegado e não provado é o mesmo que fato inexistente.

  • 10. Houve incidência de juros legais a partir da citação e correção monetária a contar do ajuizamento do pedido, o mesmo acontecendo em relação às despesas processuais e custas derradeiras.


O problema está em usar “o mesmo” no lugar dos pronomes pessoais, sejam do caso reto (ele/ela) ou do caso oblíquo (o/a, lhe). Isso indica pobreza de linguagem ou falta de familiaridade com os pronomes pessoais. Algumas vezes – imagino – a pessoa tem insegurança no trato com os pronomes, mas ao mesmo tempo quer evitar a repetição de um determinado substantivo, então coloca o mesmo (ou a mesma, se feminino) no seu lugar.


Observe que nos exemplos 1 e 2, acima, mesmo acompanha um substantivo – não o substitui. No exemplo 3 acompanha um pronome. Em 4, acompanha um advérbio. Em 5 e 6, um adjetivo. Em nenhum bom exemplo a palavra mesmo toma a vez do substantivo.


É mais uma questão de estilo do que de gramaticalidade. Digamos então que fica ruim, ou não convém, escrever da forma abaixo:


  • Deixou de constar a declaração do condutor do veículo pelo fato de o mesmo estar hospitalizado sem condições de prestá-la.

  • Registra o parecer técnico que Valente abandonou a esposa e filhos por diversas vezes, sendo que a mesma mudou-se de Estado.

  • Ontem vi meu ex-chefe e convidei o mesmo para um cafezinho.

  • Já que o secretário executivo esteve nos visitando, entregamos ao mesmo a documentação.

  • Busque as fichas no almoxarifado e verifique se as mesmas estão carimbadas.

  • Desejando rever o conteúdo jurídico do projeto, solicito seja o mesmo retirado de pauta.


Em melhor português você diria assim:


  • Deixou de constar a declaração do condutor do veículo pelo fato de ele estar hospitalizado sem condições de prestá-la.

  • Registra o parecer técnico que Valente abandonou a esposa e filhos por diversas vezes, sendo que ela mudou-se de Estado.

  • Ontem vi meu ex-chefe e o convidei para um cafezinho.

  • Já que o secretário executivo esteve nos visitando, entregamos a ele [ou entregamos-lhe] a documentação.

  • Busque as fichas no almoxarifado e verifique se [elas] estão carimbadas.

  • Desejando rever o projeto, solicitou seja [ele] retirado de pauta.


____________________________________________


Coluna Não Tropece na Língua – Publicada no Portal Língua Brasil Texto nº 2 – 3ª Edição Data da Publicação: 07/12/2011


10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Complexo de vira-latas, Nelson Rodrigues

Hoje vou fazer do escrete o meu numeroso personagem da semana. Os jogadores já partiram e o Brasil vacila entre o pessimismo mais obtuso e a esperança mais frenética. Nas esquinas, nos botecos, por to

Os diferntes estilos, Paulo Mendes Campos

Parodiando Raymond Queneau, que toma um livro inteiro para descrever de todos os modos possíveis um episódio corriqueiro, acontecido em um ônibus de Paris, narra-se aqui, em diversas modalidades de es

O céu da boca, Carlos Drummond de Andrade

Uma das sedes da nostalgia da infância, e das mais profundas, é o céu da boca. A memória do paladar recompõe com precisão instantânea, através daquilo que comemos quando meninos, o menino que fomos. O

Comentarios


bottom of page