top of page
  • Foto do escritorRegina Mota

Envelhecer bem é lembrar o que aprendeu vivendo, Anna Verônica Mautner

Envelhecer não é só perder força muscular e, consequentemente, ter a pele menos flexível. Assim sendo, o que há de importante no envelhecer é a mudança que ocorre na relação do eu (corpo e pele) com o mundo.

Quando a intensidade do querer vai diminuindo, muitas mudanças ocorrem ao mesmo tempo. Quando o meu querer é menos intenso, vou dando importância cada vez menor a conseguir o que não está diretamente ao meu alcance.

Quando eu quero com força, estou dando uma importância grande ao que não tenho e dizendo ao mesmo tempo que acredito na possibilidade de vir a ter o que estou querendo.

Junto com o enfraquecimento do "querer" também enfraquece a força da esperança. Viver sem esperança é difícil. Para não doer muito essa falta, diminuo essa sensação de querer.

É sempre importante acreditar que vale a pena esperar.

A gente batalha quando prevê a possibilidade de conseguir. Neste lugar está o receptáculo da consciência. Preciso acreditar que sou capaz de querer isto com tanta força que passo a acreditar que vale a pena; que vai ser bom "pra mim".

Muitas vezes queremos conseguir para diminuir a angústia do vazio; muitas vezes queremos vitória apenas para nos sentirmos fortes. Outras inúmeras vezes queremos paz, tão somente. Todo esse sobe e desce está em quanta energia coloco no querer e na batalha para conseguir.

Tudo isso depende do quanto do tipo de energia que coloco no querer e na luta para conseguir. Nada disso ocorre quando a confiança em mim mesma está abalada. É complicado ter fé nas minhas possibilidades, na minha competência e no valor do prêmio - objeto da fé.

Quando a gente é criança, não se conhece bem. Mede-se mal a competência na adolescência; com o tempo, vamos aprimorando a percepção de si e do mundo. Chamarei de maturidade o equilíbrio do que é a consciência da memória que temos do resultado das lutas já empreendidas e de tudo o que essa batalha ininterrupta nos ensinou.

É preciso uma boa dose de autoconhecimento para vencer. Preciso ver se a luta vale a pena. É preciso ver se a luta vale o valor do prêmio - objeto da fé.

Do começo da vida, em que mais perdemos do que ganhamos, vamos até a sabedoria do envelhecimento. É a linha seguida pelos que não morrem cedo. Morrer cedo é perder a chance de terminar a tarefa que nos coube no bem viver. Morrer cedo é deixar a tarefa individual inacabada. Lutamos, perdemos e também ganhamos na sabedoria do envelhecer bem vivido. Envelhecer bem é lembrar tudo aquilo que se aprendeu vivendo.

Envelhecer bem é dar risada das rugas - traços do envelhecimento.

· Anna Veronica Mautner - Psicanalista da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo e escritora

Folha de S. Paulo, 9 de nov. de 2018.

79 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Complexo de vira-latas, Nelson Rodrigues

Hoje vou fazer do escrete o meu numeroso personagem da semana. Os jogadores já partiram e o Brasil vacila entre o pessimismo mais obtuso e a esperança mais frenética. Nas esquinas, nos botecos, por to

Os diferntes estilos, Paulo Mendes Campos

Parodiando Raymond Queneau, que toma um livro inteiro para descrever de todos os modos possíveis um episódio corriqueiro, acontecido em um ônibus de Paris, narra-se aqui, em diversas modalidades de es

O céu da boca, Carlos Drummond de Andrade

Uma das sedes da nostalgia da infância, e das mais profundas, é o céu da boca. A memória do paladar recompõe com precisão instantânea, através daquilo que comemos quando meninos, o menino que fomos. O

Comments


bottom of page