top of page
  • Foto do escritorRegina Mota

Contadores de caso, Anna Veronica Mautner


Ter um repertório em comum elimina a sensação de isolamento e faz a gente se sentir "em casa" no mundo.


Já vai longe o tempo da comunidade de vizinhança, quando se conversava, contando caso. Aí veio o telefone, e podíamos contar caso pelo muro e pelo aparelho.


As histórias tinham se- quência, e o "nada de novo" era quase má notícia.

A educação das crianças, para que façam parte do mundo, se dá por meio dos casos que elas ouvem.


Muitas coisas elas não entendem ainda, mas, com o tempo, o repertório delas cresce e se iguala ao do mundo a que pertencem.


Por meio de fábulas, contos de fadas e superstições, elas vão tomando conhecimento do que é certo, do que é errado, do que é raro e do que é familiar.


Sempre entendi que a criança gosta de ouvir "n" vezes a mesma história e exige que seja contada do mesmo jeito, para ter a alegria de chegar a um fim conhecido. Mais um ponto em seu repertório de cidadã do mundo.


Gente grande também precisa ter meios de atualização do repertório. O problema é que o mundo dos adultos muda muito rápido.


Vivemos sob uma avalanche de notícias. Assistimos a eventos que ocorrem a cem metros ou a milhares de quilômetros, em tempo real.


O repertório de que dispomos, mesmo os mais informados e bem formados, não nos habilita a elaborar de imediato tantos fatos.


Comentaristas e jornalistas especializados assumem nossa orientação. Mas existe um jornalista especial que não trata obrigatoriamente de grandes eventos.


É quase um contador de caso, só que não inventa caso. É o cronista. Ele tem um estilo pessoal de contar aquilo que o leitor também sabe. Mas, quando lido da parte de um contador de caso, vira repertório.


Ler uma crônica é um retorno ao muro onde se contavam os casos para os vizinhos. É um bisbilhotar em jornal ou revista.


Os meios de comunicação têm dia e lugar certos para apresentar seus cronistas, como um ponto de encontro.


Eu quero ver o que o fulano diz na quarta-feira, na página tal. Eu vou ao encontro dele, para saber o que lhe chamou a atenção durante a semana.


O cronista é uma primeira pessoa do singular, que observa como envolvida, não como distante.


Ele pretende ser lido como se estivesse sendo escutado.


Por isso, conte histórias, conte casos e não jogue prosa fora. Mande para seu próximo.

Folha de S. Paulo, 24 de maio de 2011. Caderno Equilíbrio

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Complexo de vira-latas, Nelson Rodrigues

Hoje vou fazer do escrete o meu numeroso personagem da semana. Os jogadores já partiram e o Brasil vacila entre o pessimismo mais obtuso e a esperança mais frenética. Nas esquinas, nos botecos, por to

Os diferntes estilos, Paulo Mendes Campos

Parodiando Raymond Queneau, que toma um livro inteiro para descrever de todos os modos possíveis um episódio corriqueiro, acontecido em um ônibus de Paris, narra-se aqui, em diversas modalidades de es

Comments


bottom of page