top of page
  • Foto do escritorRegina Mota

Como não ler 'Pinóquio', Jorge Coli

Há leitores que seguem frases com miopia, sem ver a obra em sua inteireza

Traduzir é muito bom. Tem algo de palavras cruzadas: é imperioso encontrar o termo exato, o mais preciso possível. Pede sintonia com o espírito do original, e não creio que haja maneira melhor de se conhecer um livro no seu âmago do que pela tradução.

Traduzir vai além de passar um texto de uma língua para a outra. Trata-se de expor, no idioma de chegada, uma concepção, ou uma leitura singular do original. Se um escrito nunca é um “em si”, se ele só existe segundo cada leitor, a tradução é uma reencarnação do original. Borges comparou quatro versões das “Mil e uma Noites” para línguas diferentes e concluiu: a boa tradução traz consigo a cultura individual e a do momento em que vive o tradutor.

Nestes tempos de retiro, traduzi "As Aventuras de Pinóquio", para a editora 34.

Todo o mundo sabe quem é Pinóquio, com seu nariz que cresce a cada mentira, mas o personagem ganhou vida independente, circulando no mundo por conta própria, e com isso perdeu a espessura, a complexidade que lhe dá o livro de Collodi.

Teve, e continua tendo até hoje, muitas adaptações para o cinema e a televisão. Entre muitas, a Disney consagrou-lhe um desenho que, poético, não foi menos falsificador e redutor das inacreditáveis aventuras pelas quais passa a marionete sem fios. Roberto Benigni estrela um “Pinóquio”, dirigido por Matteo Garrone, que está nas telas, tenta uma fidelidade maior ao original e resulta num belo filme.

Pinóquio percorre um mundo de crueldade e pobreza, no limite da fome e da miséria, mas tratado com ironia e humor. Gepeto diz como se inspirou para escolher o nome da marionete: “Conheci uma família inteira de Pinóquios: Pinóquio o pai, Pinóquia a mãe, e Pinóquios os garotos, e passavam muito bem. O mais rico dentre eles pedia esmola”.

As aventuras se sucedem por meio de imaginação desbragada e grande desrespeito pela verossimilhança. O tom é direto, com enorme força visual. Nenhuma criança poderá esquecer o pescador monstruoso, verde, fritando uma batelada de peixes, entre os quais se encontra Pinóquio e que ele toma por um caranguejo; ou os habitantes da cidade Pegatrouxa; ou qualquer das situações diversas, tão concretas, muitas apavorantes.

Os contos infantis comportam sempre uma boa dose de terror. Por ele, cria-se o suspense que prende a respiração das crianças e lhes desperta o desejo de saber mais, de ler mais.

Em “Pinóquio”, as situações horripilantes se atropelam. Um diálogo assim: “— Não há ninguém nesta casa; estão todos mortos. — Abra-me pelo menos você! — gritou Pinóquio, chorando e suplicando. — Eu também estou morta. — Morta? E então o que você está fazendo aí na janela? — Estou esperando o caixão vir para me levar embora”. Poderia estar num filme de um dos mestres do terror italiano, Bava, Fulci ou Argento.

Pinóquio enforcado; Pinóquio transformado em burro e, amarrado com uma pedra, atirado na água para se afogar; Pinóquio quase assassino; Pinóquio encoleirado e obrigado a se fazer de cachorro; Pinóquio que assiste aos coelhos funerários virem para buscar seu cadáver: as situações abomináveis não cessam.

Nestes tempos sumários de patrulhas, controles, denúncias, delações e cancelamentos, penso em como não se deve ler “Pinóquio”. Por exemplo, condenar o livro por causa de suas passagens angustiantes. Ou, quem sabe, expurgá-lo dessas passagens. Entretanto, as crianças sabem que elas “não são para valer”, como num desenho do Papa-Léguas, do Pica-Pau ou de Tom e Jerry. Pinóquio reaparece, renasce, e pouco importa a coerência.

Há mais. As desgraças ocorrem no livro porque Pinóquio não é bem comportado. Foge da escola, gosta das más companhias, não ouve os mais velhos. Essas travessuras são compensadas por um terrível e constante sentimento de culpa, associado diretamente ao merecimento. Não seria difícil imaginar alguma boa alma se indignando contra a “meritocracia” embutida no volume de Collodi.

Há leitores que seguem as frases com a miopia de formigas (se é que há miopia entre as formigas), isolando-as, recortando-as, sem ver o imenso benefício, muito maior, trazido pela obra na sua inteireza. No passado, é bem provável que existam textos medíocres capazes de satisfazer as exigências da correção política, mas não valeriam a pena de serem lidos.

Triste livro, se Pinóquio fosse um bom menino. São as formidáveis aventuras da marionete que põem em xeque as lições de moral, e o exemplar garoto “de verdade” aparece só nas últimas linhas porque não tem história: sua vida sem graça não merece ser contada.

Folha de S.Paulo, 28 de fev. 2021.

· Professor de história da arte na Unicamp e autor de “O corpo da Liberdade”

1.

16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Complexo de vira-latas, Nelson Rodrigues

Hoje vou fazer do escrete o meu numeroso personagem da semana. Os jogadores já partiram e o Brasil vacila entre o pessimismo mais obtuso e a esperança mais frenética. Nas esquinas, nos botecos, por to

Os diferntes estilos, Paulo Mendes Campos

Parodiando Raymond Queneau, que toma um livro inteiro para descrever de todos os modos possíveis um episódio corriqueiro, acontecido em um ônibus de Paris, narra-se aqui, em diversas modalidades de es

O céu da boca, Carlos Drummond de Andrade

Uma das sedes da nostalgia da infância, e das mais profundas, é o céu da boca. A memória do paladar recompõe com precisão instantânea, através daquilo que comemos quando meninos, o menino que fomos. O

コメント


bottom of page