top of page
  • Foto do escritorRegina Mota

Acordar, Monja Coen

E se de repente tudo cessasse? Não pela morte, mas em vida. Você parasse de pensar sem parar. Parasse de falar e falar. Parasse de reclamar e apenas sentisse. O que seria?


Se de repente tudo se aquietasse e você pudesse ouvir o que nunca ouve, o que ouviria?


A gente se esquece de ouvir. Fala tanto. Reclama e reclama. Da vida, dos santos, da televisão, da mídia, dos políticos, da Justiça, dos filhos, dos pais, dos maridos, das esposas, dos amigos, dos chefes, dos empregados... Sempre falando, sempre pensando, sempre reclamando.


E se de repente tudo cessasse? Não pela morte, mas em vida. Você parasse de pensar sem parar. Parasse de falar e falar. Parasse de reclamar e apenas sentisse. O que seria?


Talvez sorrisse de tanta burrice e soltasse um ai!


Talvez chorasse de tanta tristeza e soluçasse um ai!


Quem sabe? Vamos tentar? Por um só momento ficarmos atentos ao que é neste instante e que não se repetirá jamais?


Abrir bem os olhos não é arregalar. É olhar bem profundo, lá mesmo no fundo, aonde ninguém quer chegar. É ver o escondido segredo mantido que a gente pretende não ter em nenhum lugar. De olhos abertos. Ouvidos despertos. Sentidos alertas. Pode-se até sonhar.


Sonhar o sonho de dentro de um sonho. E pode ser um sonho de acordar.


A gente sonha cada bobagem. Ondas enormes, perigos, enchentes. A gente sonha que há guerras e mortes e foge, foge, foge. Quer gritar e não pode. Ou sonha com flores e gramados brilhantes de orvalho ao nascente. Sonha com paz e com gente contente. Sonha tanta coisa. Sonha acordado. Sonha dormindo. Sonha no sábado e também no domingo. Ás vezes, até se esquece de sonhar e acorda pensando o que foi que esqueceu... O sonho talvez de acordar.


Mas, antes de tudo, antes de se levantar, percebe o ar, os sons ao redor, a textura da fibra de que é feito o lençol. Percebe o dedão lá do pé querendo furar a meia que você teve ontem preguiça de tirar. Espreguiça comprido cuidado para a câimbra não despertar. Levanta-se de esguelha, sem nó lá no peito, sem lembrança de nada. Levanta-se e respira bem fundo e suspira que hoje é o dia de você acordar.


MONJA COEN é monja budista da tradição Soto Zen; site: www.monjacoen.com.br

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Complexo de vira-latas, Nelson Rodrigues

Hoje vou fazer do escrete o meu numeroso personagem da semana. Os jogadores já partiram e o Brasil vacila entre o pessimismo mais obtuso e a esperança mais frenética. Nas esquinas, nos botecos, por to

Os diferntes estilos, Paulo Mendes Campos

Parodiando Raymond Queneau, que toma um livro inteiro para descrever de todos os modos possíveis um episódio corriqueiro, acontecido em um ônibus de Paris, narra-se aqui, em diversas modalidades de es

O céu da boca, Carlos Drummond de Andrade

Uma das sedes da nostalgia da infância, e das mais profundas, é o céu da boca. A memória do paladar recompõe com precisão instantânea, através daquilo que comemos quando meninos, o menino que fomos. O

Comments


bottom of page